Menu

Observer – Review


Pense em um mundo onde os seres humanos estão cada vez menos humanos e cada vez mais máquinas. Um mundo onde ser “puro” significa não ter nenhuma parte mecânica em seu organismo.

Pense numa união de Minority Report com Blade Runner e um toque de Matrix (Um toque quase imperceptível).

Estou falando de Observer, o jogo Cyberpunk com um Terror extremamente psicológico. Você controla o personagem Daniel Lazarski, um detetive que é chamado para investigar um caso de homicídio, que vem a descobrir que se trata de seu próprio filho.

No universo de Observer, o protagonista se encontra, no que eles chamam de A Quinta República Polonesa, na cidade de Cracóvia. O mundo em si foi para o espaço, a população foi dizimada por uma praga digital unida a uma guerra mundial de destruição massiva.

Falando da história do jogo, tentando me conter para não dar Spoilers, Lazarski trabalha para a companhia Chiron, digamos que a Chiron é uma Umbrella, se formos fazer comparações. Chiron é uma empresa que foi desenvolvida com o intuito de ajudar o ser humano com a realidade virtual e a designação digital de nossos organismos… em outras palavras, nos transformar em pessoas-ciborgues.

A Guerra e a Praga ajudaram Chiron a se erguer como a companhia mestre do mundo, basicamente ela é a única companhia restante que cuida de todos os problemas mundiais.

No jogo, Lazarski conta com seus sensores acoplados, como visão fortuna, visão de calor, etc. Tudo para ajudar com o trabalho de detetive, ou seja, procurar pistas, identificar os cadáveres, procurar e questionar suspeitos, entre outros atributos.

Nesse mundo, os cidadãos são divididos em classes sendo o pior o Distrito C. Este distrito sombrio de classe C está cheio de costuras com pessoas desesperadas e assustadas escondidas em seus apartamentos ranços e cuja única fuga do inferno absoluto de suas vidas diárias são as drogas – químicas ou tecnológicas.

Essencialmente uma história de detetive, Observer quase imediatamente se torna mais do se procura em um game ao estilo LA Noire Cyberpunk. Falar com os moradores, examinar cenas de crime e decifrar pistas constituem uma grande parte da jogabilidade aqui, mas está tudo alojado dentro de ambientes muito bem detalhados, as memórias torcidas de estranhos perturbados e uma das narrativas cyberpunk mais intrigantes em anos.

Há uma sensação constante do horizonte escuro da cidade, mas você está muito concentrado em colocar suas mãos na sujeira para sentir que está perdendo algo maior. A sociedade que foi esculpida neste prédio de apartamentos é tudo o que importa e é aqui que o Observador começa a afastar suas influências e a criar sua própria trilha única.

Dito de uma perspectiva de primeira pessoa, Lazarski desenrola lentamente os eventos com sua tecnologia aumentada, escaneando cenas de crime para evidências biológicas ou eletrônicas (qualquer uma das quais pode revelar pistas diferentes). Ele também faz uso de seu aumento “Dream Eater”, que é projetado para observar as mentes das pessoas.

Ao longo do jogo, são essas seqüências extraordinárias que apresentam as histórias horríveis em formas psicodélicas e surrealistas. O “Dream Eater” foi uma das experiências mais interessantes que tive nesse jogo, o fato de você entrar na cabeça das pessoas e ver seus maiores pesadelos, é fantástico.

Mais fantástico ainda como o estúdio “Bloober Team” demonstra os perturbados pesadelos das pessoas. O conselho maior é jogar Observer com fone de ouvido, pois todo e qualquer mínimo detalhe de som é importante para a tensão desenvolvida no jogo. Toda cena adiciona um pedaço significativo do quebra-cabeça a um mundo e uma história que você quer saber mais sobre.

Constantemente apresenta momentos surrealistas e surpresas que pareceriam, em papel, o trabalho dos lunáticos. No entanto, neste canto sujo e sem esperança de Cracóvia, eles se sentem completamente em casa. A escrita para até mesmo o mais fugaz dos personagens (mesmo mortos) é genuína.

Toda pessoa aqui, de pais malditos gritando com seus filhos enquanto conversa com você através de uma tela de vídeo sujo para construir construções abstratas de almas perdidas presas em suas próprias mentes, tem uma vida convincente própria e esse compromisso com o detalhe faz a descida de Lazarski para este futuro inferno e seus próprios demônios pessoais, tudo mais atraente. Explicando o Cyberpunk é um reflexo de onde nos dirigimos como uma sociedade, uma realidade estranhamente sedutora, onde permitimos tecnologia impressionante em nossas vidas à custa de nossa humanidade.

Este é um gênero de nicho que precisa de novas revisões e novos pioneiros para que ele continue evoluindo à medida que nos aproximamos de ver suas advertências fictícias na vida real, e Observer adiciona as parábolas familiares de maneiras fascinantes e inesperadas. A esse respeito, e em tantos outros níveis. Observer, é uma obra de arte do terror psicológico, bem próximo de The Park e Layers of Fear, porém com um diferencial, o medo é todo focado na tensão do jogo e nos pesadelos das vítimas.

 


Curta o Gamepress nas redes sociais:
Facebook
RSS

Comentários

Curta no Facebook!

Canal Gamepress no YouTube!

Trulon: The Shadow Engine - Análise e Gameplay

Inscreva-se!

Últimos Tweets