Análise Nintendo Playstation Todas

SNK Heroines Tag Team Frenzy aposta no fanservice e esquece o restante


É impossível, quando falamos em SNK, não pensar imediatamente em suas grandes séries de games de luta. Seja Fatal Fury, The King Of Fighters, Samurai Shodown, entre outros, todos são clássicos que definiram diversos aspectos e características no estilo, que são respeitadas e seguidas até hoje. Dito isso, não teve como não imaginar com o anúncio de SNK Heroines: Tag Team Frenzy que teríamos uma grande celebração desses jogos, com as heroínas da empresa no papel de protagonistas. Mas, infelizmente, o resultado não foi tão positivo quanto imaginávamos…

SNK Heroines reúne algumas das mais famosas personagens da casa em um jogo de luta que tem como foco jogadores não familiarizados com o estilo. A grosso modo, podemos comparar o game com jogos mais casuais como Super Smash Bros, onde no lugar de comandos e estratégias complexas (algo que sempre foi características da SNK), temos comandos e mecânicas simplificadas, tornando a experiência em algo fácil e rápido de se aprender.

Mas, essa mesma acessibilidade é o que torna o jogo uma experiência maçante e repetitiva. Os controles apresentam um botão de ataque fraco, que garante um auto combo de 3 hits universal, um botão de ataque forte, que funciona como launcher, e um botão de especial, que somado com comandos direcionais, executam golpes diferentes. Por conta desses comandos universais, a única variedade das personagens fica por conta de seus movimentos especiais, que podem ser usados para estender combos, após retirar a oponente do chão/quicar na parede, porém, novamente, de maneira limitada, impossibilitando criar combos longos ou elaborados.

Heroines permite o jogador a selecionar uma dupla de lutadoras. Enquanto uma luta, a outra fica em segundo plano, podendo ser selecionada pela parceira, ou, usando alguns dos vários itens que podem ser coletados durante a batalha. Esses itens dão uma dinâmica interessante, já que podem servir como projéteis, ou como alguma melhora para a lutadora principal, porém, se limitam a especiais temporários. Diferente de games lançados recentemente como Blazblue Cross Tag Battle e Marvel Vs Capcom Infinite, que também utilizam a mecânica de tag, SNK Heroines não deixa que o jogador seja criativo por também limitar o sistema, permitindo que a troca de personagens seja feita apenas após um movimento de launcher, ou quando a lutadora principal está apta.

A SNK não teve com The King Of Fighters XIV uma primeira resposta positiva por conta de seu estilo de arte e gráficos, fato que torna ainda mais estranha a decisão de manter o mesmo estilo e reaproveitar os mesmos modelos do game em Heroines, que além de um elenco pequeno apresenta apenas uma personagem inédita, e, de uma forma estranha, uma versão feminina de Terry Bogard. Para compensar o roster pequeno, o game apresenta diversas peças para customização e roupas extras, que podem ser desbloqueados com valores ganhos em qualquer um dos poucos modos de jogo.

Quanto mais se olha para SNK Heroines, mais claro fica que o foco dos desenvolvedores foi de entregar uma experiência baseada em fanservice, já que todas as roupas paralelas das personagens as colocam em situações constrangedoras e revelam um pouco mais de pele do que necessário. O game tenta se justificar com sua história, onde um fetichista captura as lutadoras com a intenção de criar um paraíso próprio, com isso, as obriga a usar fantasias constrangedoras e lutarem em duplas. Apesar da narrativa fraca e “galhofa”, um detalhe positivo sobre o modo história é que todas as lutadoras terão animações e dialogo entre si, um toque interessante que desenvolve um pouco a personalidade de cada uma das heroínas. Mesmo assim, existem algumas duplas pré-definidas que desbloqueiam no final uma arte especial com as duas guerreiras selecionadas.

Além do modo história, o game conta com um modo de sobrevivência e versus local, em que o único incentivo para continuar jogando são os cosméticos desbloqueáveis com os valores obtidos com cada partida.

Durante o período pré-lançamento, não conseguimos encontrar nenhuma partida online, em nenhum dos seus dois modos, sendo desconectados logo em seguida após encontrar alguns jogadores. Problemas em relação ao online provavelmente serão corrigidos após o lançamento.

SNK Heroines Tag Team Frenzy comemora suas heroínas de maneira duvidosa, substituindo a excelência e complexidade dos jogos de luta da empresa por um game casual com foco em um gameplay simples e fanservice, podendo ser uma experiência divertida a curto prazo para aqueles que se interessam em apenas customizar suas lutadores favoritas em combates simples e rápidos. O game chega ao Playstation 4 e o Nintendo Switch no dia 07 de setembro.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com