Menu

Survive! Mr. Cube é repetitivo mas diverte na aleatoriedade


A grande sensação de Survive! Mr. Cube é o “porquê eu estou jogando isso?”, mas ao mesmo tempo em que nos perguntamos isso, continuamos vagando por mundos sombrios repletos de inimigos e baús com poções e upgrades.

Claramente o jogo foi desenvolvido para usar a aleatoriedade como um fator diferencial positivo para o replay, e isso ele consegue atingir. Depois colocaram uma história para tentar dar um enredo para o jogo, mas ficou muito blasé, o famoso “minha amada me aguarda”. Entrando em maiores detalhes, sua vida é perfeita com sua noiva até que em um bar um estranho oferece umas cápsulas – bem suspeitas – que te levam para o universo de gráficos baseados em cubos de um universo paralelo.

Às armas!

Outro ponto positivo do jogo é a curva de aprendizado. A produtora coreana Intragames aplicou bem este conceito e a cada novo gameplay, aprende-se um pouco mais sobre como sobreviver e progredir no jogo. Não é dada nenhuma instrução, porém é tudo muito intuitivo.

Vamos começar do começo. O jogador acorda em uma clareira, apenas com um portal para iniciar a jornada. Passando pelo portal, o jogador encontra-se em uma floresta – o primeiro dos mundos – e deve a cada tela encontrar uma torre e destruí-la para abrir um portal para a fase seguinte e assim progredir no mapa até encontrar o chefe final. Algumas das telas possuem mais de um portal que podem direcionar a um rumo sem saída no mapa, tornando necessário retornar e seguir o outro caminho para progredir. É essencial olhar o mapa, tanto da fase para saber quantos portais irão se apresentar naquela tela, quanto no geral para ver se o caminho a seguir parece lógico.

Todas as telas são repletas de monstros, todos em gráficos baseados em cubos, que vão desde aranhas até soldados montados. Existem inimigos mais difíceis, representados com um hexágono abaixo, que geralmente dão boas recompensas como power ups ou armas. Também existem nos cenários inúmeros baús caveiras, que contém moedas e poções – são 4 tipos: Vermelha para HP, Azul para Stamina, Rosa para Agilidade e Amarelo para Força – e baús dourados, que contém itens melhores, mas são muito mais raros.

Quem é quem?

Quando o personagem morre – e com certeza irá acontecer – o jogador retorna à clareira inicial e acorda como um outro personagem, com características diferentes e aleatórias, que vão desde à arma que ele ataca até itens essenciais como quantidade de vida e stamina, velocidade e poder de ataque. Aparece também pela primeira vez um mercador. Todo o dinheiro acumulado nas jornadas se acumula e o único meio de gastá-lo é neste mercador. E vale a pena comprar itens, que podem ser de todo tipo encontrado no jogo: poções, power ups, armas, etc. – no gameplay que fechei o jogo, comprei uma shotgun Winchester, por exemplo. Outro bônus que só aparece no segundo gameplay em diante é a cova do guerreiro anterior, que dá uma ajuda para iniciar a nova jornada.

O maior ponto negativo do jogo é o sistema de combate “dual sticker”, ou seja, com o direcional da direita movimenta-se o personagem e com o da esquerda dispara o ataque. Em muitas das armas, principalmente as mais medievais como lança e maça, isso limita a ação e acaba fazendo com que se erre o alvo por diversas vezes – com o tiro esparramado da Shotgun, não acontece isso!

Lave, enxague, repita

O jogo é sempre a mesma coisa. Atravessar a tela, achar o portal, destruí-lo e passar para outra tela. Mas o fator aleatoriedade cumpre seu papel e não deixa o jogo ser chato. Devido à variedade de personagens e armas, cada gameplay parece diferente do outro.

Após achar o portal para o chefe final, reinicia-se a campanha em outro cenário – um deserto, no caso – com personagens mais difíceis e desafiadores. É possível também achar o portal para o chefe antes de rodar por muitas telas, outro fator aleatório que ajuda a tornar o jogo interessante.

Por fim, como último positivo, é uma das platinas mais fáceis de conseguir no PlayStation 4 (R$45 na PSN BR) – o jogo também está disponível no Nintendo Switch (US$15 na Loja USA) – pois basta completar uma vez a jornada inicial na floresta que se consegue todos os troféus – aproximadamente 3 horas. Alguns são mais complicados, como matar um certo número de inimigos ou morrer algumas vezes, mas tudo dentro do gameplay levará o jogador à adicionar mais um Troféu Platina na estante.

Curta o Gamepress nas redes sociais:
Facebook
EMAIL

Comentários

comentários

Curta no Facebook!

Canal Gamepress no YouTube!

BIG NEWS EXPRESS (09/07 - 13/07)