Menu

Premissa é boa mas falta atividade em Shoppe Keep 2


Vamos começar com o básico: o jogo não é muito bonito. Embora em muitas ocasiões gráficos não sejam primordial para um bom game, o estilo de arte de Shoppe Keep 2 é abaixo do esperado. Tudo parece tão genérico e chato que têm dificuldade para chamar a atenção à qualquer detalhe. O design de som também deixa a desejar. A música é chata e os efeitos sonoros é preferível nem lembrar. Mesmo os sons estão todos lá, nenhum deles parece que se ordena com os demais. O jogo ainda está no Early Access dos desenvolvedores e muitas dessas coisas podem mudar, mas esta primeira impressão do Shoppe Keep 2 certamente não é boa.

O Shoppe Keep 2 pode ter o pior começo entre inúmeros jogos, uma vez que não há quase nada para fazer. São oferecidas 3 opções – água, máscara e sapatos – e a partir delas inicia-se sua loja (Dica profissional: não se importe com a água. As pessoas vão comprá-la por $ 1 ou $ 2 a mais do que foi pago, definitivamente não vale a pena.). De lá, a ideia central do jogo se desenvolve. O comércio de itens funciona de maneira simples. Basta coloca-los em um pedestal, atribuir-lhes um preço e depois ir embora. A população é incrivelmente honesta e não é preciso estar perto da loja para efetuar a transação. Isso é muito bem-vindo, afinal quem iria querer ficar atrás de um balcão durante todo o dia vendendo itens? Talvez fosse uma atividade melhor que vagar pela cidade, que é chata e sem nada para fazer – única coisa minimamente interessante é caminhar ocasionalmente até as casas para vender água, até porque não tem mais nada para fazer!

A noite é o pior pesadelo. O Shoppe Keep 2 menciona que deixar as lojas abertas à noite é uma boa maneira de ser roubado, então fechar pareceu mais apropriado. Só que, como a premissa do jogo é comercializar itens e isso é impossível com a loja fechada, volta-se ao problema de ausência de atividade. Isso seria facilmente solucionado com eventos aleatórios ou algo para justificar a presença durante o jogo, como evoluir as habilidades do personagem. 

Fique Rico e mais nada

Falando de árvores de habilidades, elas são chatas e não adicionam absolutamente nada de valor. As habilidades de combate são inúteis, já que quase tudo pode ser morto com um simples golpe ou apenas andando para trás com o arco nas costas. Mas como assim “para trás com o arco nas costas”? Bem, movendo o personagem no mesmo ritmo que a maioria dos inimigos, só que para trás, fará com que eles nunca possam tocá-lo e eventualmente morram.

Talvez a maior falha de Shoppe Keep 2 seja ausência de algo que torna interessante os jogos com comércio: risco e recompensa. Em nenhum momento é possível sentir a valorização de itens mais raros ou difíceis, já que com simples maçãs é possível obter o lucro desejado. Não há praticamente nada que impeça de conseguir qualquer objetivo estipulado. A ausência de interação com NPCs – eles só entram e compram coisas ou não. Bem, na maioria das vezes eles simplesmente desaparecem em uma nuvem de fumaça sem nenhuma razão aparente – ou objetivos secundários torna o jogo raso.

No final do dia, o Shoppe Keep 2 não oferece nenhuma compensação ao jogador, seja dentro do jogo ou emocionalmente. O cenário genérico e estilo de arte simplório, acompanhados pelo combate entediante, tornam as aventuras um total aborrecimento. Como administrar a loja significa apenas definir itens em exibição e não fazer nada, ela simplesmente não é envolvente. Precisa haver mais profundidade em jogos com esse tipo de premissa, principalmente focado no relacionamento entre clientes e a loja. Por sorte, algumas dessas etapas podem ser corrigidas antes do lançamento final.

Curta o Gamepress nas redes sociais:
Facebook
EMAIL

Comentários

comentários

Curta no Facebook!

Canal Gamepress no YouTube!

Cyberpunk 2077 será em PRIMEIRA PESSOA mas não é FPS! ENTENDA! - News EXPRESS